quinta-feira, 7 de junho de 2018

Caminhos

Cada amanhecer é um ir-se,
Um passo adiante rumo ao eterno,
No coração o sonho agasalhado,
Nos olhos a luz da esperança.

Cada entardecer é um chegar-se,
D'alguma viagem constante e sem volta
Por horizontes antigos e remotos,
A mala do peito pesada de saudades.

Cada anoitecer é um despedir-se
Do que já se esvai
Entre os dedos do presente,
Os encontros fortuítos e amores andarilhos.

Cada adormercer é um esquecimento
Do amanhã que será hoje
Levado por esta nau sem âncora
A que damos o nome de Tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O lançamento do novo livro de contos do escritor Antonio P. Pacheco, "O Universo no Espelho - Aqueles Outros e Suas Versões das Históri...